Saiba por que o planeta Marte perdeu sua água e acabou não ficando parecido com a Terra – Porto Alegre 24 Horas
Connect with us

Variedades

Saiba por que o planeta Marte perdeu sua água e acabou não ficando parecido com a Terra

Publicado há

em




Embora a superfície de Marte seja hoje árida e inóspita, há bilhões de anos provavelmente estava tão coberta de água quanto a Terra. O que provocou o desaparecimento deste recurso crucial para o desenvolvimento da vida? Uma das teorias vigentes é de que a água sumiu do planeta vermelho quando ele perdeu o campo magnético que o protegia dos ventos solares.

No entanto, um estudo recente feito por cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, mostrou que a perda do campo magnético não permite explicar o desaparecimento de toda a água que existia no planeta.




O resto, segundo a pesquisa, foi absorvido pelas rochas de basalto, que podem reter em seu interior aproximadamente 25% mais água que as pedras do mesmo tipo na Terra, já que são ricas em óxido de ferro.

Este processo foi tão intenso que é estimado que a crosta do planeta tenha consumido um oceano de mais de 3 km de profundidade.

Processo irreversível

Os pesquisadores da Universidade de Oxford chegaram a essa conclusão após calcular quanta água era possível de eliminar da superfície do planeta pela interação do líquido com os minerais das rochas.

O cálculo incluiu também fatores como a temperatura das pedras e a pressão atmosférica. Os resultados mostram que as rochas levaram grande parte da água da superfície para o interior do planeta.




Depois de absorvida, a água não pode ressurgir, porque as rochas basálticas não funcionam exatamente como uma esponja: elas quebram as moléculas, absorvendo apenas o oxigênio, enquanto o hidrogênio se espalha pelo espaço.

Essas rochas então se afundaram no manto (camada logo abaixo da superfície, assim como na Terra), deixando o planeta seco, sem a possibilidade de abrigar vida.

Diferenças sutis, mas importantes

Por que a Terra não passou por um processo parecido? Segundo os pesquisadores de um estudo publicado na última edição da revista Nature, “Marte é um planeta muito menor que a Terra, com um perfil de temperatura diferente e uma quantidade maior de ferro em seu manto”.

“São diferenças sutis, mas podem ter um efeito significativo, que aumenta com o tempo”, diz o estudo.

Esses fatores permitiram que a superfície de Marte fosse mais reativa à água que a nossa, possibilitando a formação de minerais que absorveram água e se afundaram para o interior do manto.

Já na Terra, em seus primeiros anos de formação, as rochas hidratadas tendiam a flutuar até se desidratarem.




Vida em Marte

Desde janeiro de 2015, cientistas da Nasa têm observado cuidadosamente uma das ilhas mais novas da Terra. Pode soar improvável, mas os pesquisadores acreditam que o lugar poderia ajudá-los a encontrar evidências da vida em Marte.

A ilha vulcânica HTHH (Hunga Tonga Hunga Ha’apai) começou a se formar em dezembro de 2014, no sul do Pacífico, após a erupção de um vulcão submarino. De lá para cá, sua forma tem mudado, já que ela tem sido atingida por ondas.

Para os estudiosos, a erosão do local têm características semelhantes às vistas no solo de Marte.

Na Terra, sabemos que onde quer que tenha processos de vulcões submarino há frequentemente condições para favorecer comunidades microbiológicas.




O que os pesquisadores veem surgir em Hunga Tonga Hunga Ha’apai consequentemente pode ser o tipo de um padrão para ajudá-los a entender melhor o ambiente aquático de Marte e, por extensão, se as condições podem ter sido favoráveis para o início de formas mais simples de vida.

 A ilha surgiu fora do vulcão Hunga, a 65 quilômetros ao noroeste da capital de Tonga, Nukualofa.

A nova formação geológica surgiu do que chamam erupção “Surtseyan”, nome dado em homenagem à ilha Surtsey, na Islândia, formada da mesma maneira. Nessa erupção, o magma entra em contato com a água fria do mar e causa uma explosão violenta de cinzas e fragmentos de rocha.




Esse material se acumula na superfície do oceano formando o que se chama de tufo vulcânico, uma substância parecida com o cimento.

No caso da ilha HTHH, esse tufo tem mais de 100 metros de altura. Os cientistas, no entanto, acreditam que, eventualmente, as tempestades levarão à sua erosão. (O Sul)




Leia:
Gênio de 9 anos se forma este ano na faculdade e quer mais
loading...
Patrocínio