RS é o quinto estado com maior número de mortes em rodovias federais em 2018
Connect with us

Notícias

RS é o quinto estado com maior número de mortes em rodovias federais em 2018

O Rio Grande do Sul teve 313 mortes em rodovias federais em 2018

Publicado há

em

Foto: Leandro Osório | Palácio Piratini

O Rio Grande do Sul teve 313 mortes em rodovias federais em 2018, ocupando o quinto lugar nos estados com mais vítimas no Brasil no ano passado. É o que aponta um levantamento da Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgado nesta quinta-feira (19). Apesar disso, o Painel CNT de Acidentes Rodoviários também divulgou que os acidentes do RS caíram quase 20% em relação ao ano anterior e apresentam o menor índice em 12 anos. Os estados que ocupam as primeiras quatro posições do ranking são Minas Gerais, que teve 693 mortes, Paraná (494), Bahia (456) e Santa Catarina (386).

O professor da Escola de Engenharia da Ufrgs, Luiz Afonso Senna, PhD em transportes, explica que essa redução pode ser entendida com a melhor atuação da fiscalização, mas que os fatores externos também ajudam. “Essa diminuição talvez possa ser explicada por questões externas, como a diminuição da atividade econômica que a gente vem experimentando nos últimos anos. Isso pode ter algum impacto. Não necessariamente associado ao motorista, à via ou ao veículo. Muito embora as questões da via são muito importantes”, ressalta.

Notícia Relacionada:
Família morta em acidente ia mostrar filha de 29 dias a parentes

Chefe da comunicação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) no Rio Grande do Sul, Cássio Garcez acredita que o investimento em tecnologia e a análise de estatísticas de acidentalidade, juntamente com o direcionamento de ações de fiscalização, são fatores que influenciam nessa queda no número de mortes em rodovias federais. “Basicamente, a gente monitora os trechos que são críticos para acidentes, especialmente os graves. Nesses locais e em datas específicas, como feriados ou festas locais, a Polícia Rodoviária Federal direciona um efetivo maior para esses pontos”, afirma. (O Sul)

Patrocínio