Revitalização do Hospital Beneficência Portuguesa está prestes a ser concluída – Porto Alegre 24 Horas
Connect with us

Saúde

Revitalização do Hospital Beneficência Portuguesa está prestes a ser concluída

Pequenos procedimentos cirúrgicos podem ser feitos pelo SUS

Publicado há

em

Foto: Simers

Falta pouco para a revitalização do Hospital Beneficência Portuguesa, no Centro de Porto Alegre, ser totalmente concluída. A expectativa da direção é que as intervenções sejam encerradas no início de julho e o funcionamento já ocorra a pleno no final de agosto, mas o prazo pode variar, dependendo de quando a Vigilância Sanitária de Porto Alegre realizar a vistoria.

Para operar com 100% da capacidade, ainda falta abrir a unidade de tratamento intensivo (UTI), o bloco cirúrgico e o restante dos leitos de internação. A UTI e o bloco estão em reformas e ficarão no terceiro andar. Serão 19 leitos na UTI e três salas para cirurgias. Os trabalhos nos quartos para internação já foram finalizados, mas, até a UTI e o bloco cirúrgico serem abertos, somente 22 dos 80 leitos previstos ficarão em atividade.

A princípio, esses serviços, assim como já ocorre na emergência, serão oferecidos somente para usuários de plano de saúde e particulares. Todos os quartos para internação são equipados com frigobar e TV LCD. Os espaços são semiprivativos, com dois leitos cada e duas poltronas para acompanhantes. As camas manuais estão sendo, gradualmente, substituídas para leitos automatizados.

Leia:
Chás ajudam a manter a função cognitiva na velhice

Segundo o diretor executivo do Beneficência, Ricardo Pigatto, o maior desafio na revitalização é lidar com a estrutura do prédio, que é muito antiga – a pedra fundamental, um dos marcos arquitetônicos de Porto Alegre, foi lançada em 1867. “Puxamos uma pena e sai uma galinha inteira. Por isso, também, o atraso nas obras”, explica. A estimativa inicial era de que os espaços estivessem funcionando em março.
[in_article]
Além disso, o diretor tem, em suas mãos, a árdua tarefa de reerguer um hospital que sofreu uma crise financeira tão grande que chegou a ter apenas um paciente internado. A direção da instituição mantém um site (www.credoreshpb.com.br), no qual prestadores de serviços e fornecedores da antiga administração do hospital podem se inscrever e apresentar eventuais pagamentos que ainda têm para receber. “Há uma distorção muito grande entre o levantamento de dívidas que temos e os pagamento em haver que nos são apresentados pelos credores. Essa ainda é uma grande dificuldade”, observa Pigatto.

Leia:
Fique de olho: o que observar ao escolher casa de repouso para idosos?

A dívida com a prefeitura de Porto Alegre, contudo, que causou a interrupção do atendimento via Sistema Único de Saúde (SUS) no Beneficência em novembro de 2017, foi levantada e está sendo paga com serviços prestados desde fevereiro. O estabelecimento não atende a demandas de emergência pelo SUS, mas tem contratualizados junto ao município exames agendados de imagem, endoscopia e pequenos procedimentos cirúrgicos ambulatoriais. São pagos R$ 128 mil por mês em serviços, a serem quitados em 70 parcelas.

A demanda pelos atendimentos agendados pelo SUS tem sido grande. A emergência, porém, segue vazia. “Esta é uma tendência histórica, talvez por ser um hospital muito próximo à Santa Casa. Mesmo na outra gestão, a procura pela emergência por usuários de planos de saúde nunca foi alta”, comenta o diretor executivo do Beneficência. Hoje, a instituição possui uma média de atendimento de 13 pacientes por convênio por dia na emergência, tornando ociosa sua capacidade de 100 atendimentos por dia. O estabelecimento atende no local usuários de todos os planos de saúde, exceto a Unimed, que não demonstrou interesse no convênio. (Isabella Sander | Jornal do Comércio)

Patrocínio