Projeto de teleférico para Porto Alegre foi apresentado ao prefeito Marchezan

Notícias

Projeto de teleférico para Porto Alegre foi apresentado ao prefeito Marchezan

Capital recebeu oferta de ter um equipamento interligando área central, zona leste e orla do Guaíba
Foto: Agência Brasil

Bruna Oliveira | Jornal do Comércio
Depois de Osório ser alvo de proposta para instalar um teleférico, Porto Alegre também recebeu oferta de ter um equipamento interligando área central, zona leste e orla do Guaíba. O meio de transporte é sugerido como uma alternativa para mobilidade, além do apelo turístico em algumas áreas incluídas no trajeto.

O projeto foi mostrado pela Connect Global AD em 13 de novembro ao prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior, logo após o lançamento da consulta pública para a concessão do Parque da Harmonia, no começo deste mês. O CEO da Connect Global, Tiago Lentz Dias, apresentou imagens de onde ficaria o meio de transporte.

O projeto vem sendo estudado em parceria com a Poma do Brasil Teleféricos e Funiculares, ligada ao grupo francês Poma, que fabrica equipamentos na área e forneceu as unidades instaladas na área do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, inaugurado para a Olimpíada de 2016 e mas parado há três anos, e Medellín, na Colômbia.

Em Osório, primeira cidade que Dias levou a ideia, também há a chancela da Poma. Na cidade do Litoral Norte, a ligação uniria uma rampa do Morro da Borússia, que já é um tradicional ponto turístico da cidade e com vista para a costa, a uma área onde seria construído um complexo com hotel e serviço de saúde, segundo proposta a Connect Global.

O teleférico na Capital gaúcha seria composto de uma linha de cabos conectando universidades e hospitais, passando por cima do Arroio Dilúvio, descreve Dias.

A primeira etapa, com 13 quilômetros de extensão,partiria do Campus do Vale da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), no bairro Agronomia, passando por 13 estações. Os terminais percorrendo a extensão da avenida Ipiranga conectariam pontos como Pucrs, Hospital de Clínicas e Palácio na Polícia, dobrando na avenida João Pessoa e terminando na Santa Casa de Porto Alegre. Para esse trecho, o investimento seria em torno de R$ 200 milhões.

Uma segunda etapa, com cinco quilômetros, é projetada para seguir do Arroio Dilúvio em direção à orla do Guaíba e até a Fundação Iberê Camargo, em vez de seguir em direção ao Centro Histórico.

O CEO da Connect Global conta que a oportunidade de mostrar o projeto surgiu com o lançamento do Pacto Alegre, iniciativa que une universidades, governo, setor privado e entidades não governamentais para pensar estratégias para a cidade. A aceleradora apresentou a fabricante Poma à prefeitura da Capital para alinhar a ideia. O desenrolar do projeto ainda depende de negociações futuras.

Para Dias, o teleférico de Porto Alegre abre a possibilidade para uma conversa também sobre a despoluição do Arroio Dilúvio. “Queremos, de alguma forma, despoluir o local. A gente costuma dizer que é futurista, vemos as coisas no mundo e queremos trazer para Porto Alegre.”

A Connect Global também está em contato com fabricantes de roda-gigante interessados na instalação do equipamento na orla 2 do Guaíba, na Capital. Uma roda-gigante de 80 metros de altura foi incluída nos itens que deverão ser colocados por quem vencer a concessão, que deve ser lançada em dezembro.

Mais candidatas a estudar a implantação de teleféricos

Teleféricos entraram no radar de outras prefeituras gaúchas. Nesta quinta-feira (28), evento no Tecnopuc, em Porto Alegre, vai reunir a Poma, a aceleradora do projeto e gestores de municípios que querem saber mais sobre este tipo de equipamento.

Representantes de prefeituras da Capital, Torres, Osório, Tramandaí, Imbé, Bento Gonçalves, Garibaldi, Estrela, Lajeado, Encantado e Caxias do Sul confirmaram presença no evento organizado pela Poma e Connect Global. O grupo francês, esclarece Dias, “contribui com estudos” sobre o transporte sem custos.

Porto Alegre virou celeiro de diversas experiências e propostas na área de mobilidade. Para transporte, surgiu há 40 anos o aeromóvel, um veículo sobre trilhos suspensos em uma via de concreto e movido à propulsão a ar. O aeromóvel só tem uma ligação comercial no Brasil, que conecta o Aeroporto de Porto Alegre à estação da Trensurb. Em outubro, os dois veículos originais de teste do aeromóvel foram removidos da via existente próximo à orla do Guaíba.

Já na área de concessão de área para setor privado, que pode ser uma alternativa para viabilizar o teleférico, a Capital vai conceder a orla 1 e 2, com edital esperado para dezembro e onde é prevista uma roda-gigante de 80 metros. A roda-gigante chegou a suscitar uma alternativa. Em vez vez do equipamento, a área poderia abrigar uma cuia gigante, remetendo ao hábito e cultura gaúcha do chimarrão. A orla 3 está sendo executada por um grupo português, com recursos de financiamento repassados ao município.

Patrocínio
Patrocínio

Desenvolvido por: