Onyx Lorenzoni, disse que Bolsonaro não recebeu “cheque em branco” da população ao ser eleito no segundo turno – Porto Alegre 24 Horas
Connect with us

Política

Onyx Lorenzoni, disse que Bolsonaro não recebeu “cheque em branco” da população ao ser eleito no segundo turno

Publicado há

em

Créditos da foto da notícia: Foto: Valter Campanato/Agência Brasil.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, tomou posse nesta quarta-feira (02) com um discurso conciliador e apelando à oposição por um pacto para que ajude a gestão Jair Bolsonaro (PSL) a governar o País. Na frente do chefe, afirmou que ele não “recebeu um cheque em branco” da população ao ser eleito no segundo turno contra Fernando Haddad (PT).

Na véspera, o presidente havia citado a necessidade de apoio parlamentar em discurso no Congresso, mas sua fala pública na praça dos Três Poderes retomou a retórica agressiva da campanha eleitoral, dizendo que havia começado a libertar o País do “socialismo” associado ao PT.

A modulação do discurso parece indicar uma nova dinâmica no Planalto sob nova gestão, em que declarações incendiárias para galvanizar a base de apoio de Bolsonaro são intercaladas por falas apaziguadoras destinadas aos atores políticos.

Bolsonaro deu posse, no Palácio do Planalto, a Onyx e ao secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno (PSL-RJ). Os dois generais de quatro estrelas da reserva que integram o novo núcleo duro palaciano, Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo), também assumiram. O presidente não discursou ou deu declarações, saindo do evento para receber o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.




Onyx, usualmente um crítico do PT e da esquerda, afirmou que “o governo vai surpreender” por sua capacidade de diálogo com o Congresso, incluindo aí a oposição. “Não podemos errar, e uma das formas [para isso] é ter bons ouvidos para aqueles que se opem ao nosso governo”, afirmou Onyx.

“Não é possível que a oposição não possa compreender, assim como o governo, que vamos ter que olhar primeiro para o Brasil, para as famílias brasileiras, presente das pessoas e garantir o futuro”, completou. O novo ministro disse ainda que as disputas políticas “podem e devem ser travadas”, mas que “o diálogo será necessário” daqui para frente.

Onyx era deputado do DEM-RS quando aderiu, há quase dois anos, ao projeto presidencial de Bolsonaro. Lembrou o preceito bíblico de que “muitos são chamados, poucos são escolhidos”, e disse que o presidente foi “chamado por Deus”. Citou o atentado a faca que ele sofreu em 6 de setembro, em Juiz de Fora. “Disse que estaríamos juntos para matar ou morrer”, afirmou, completando que não imaginava que seria algo literal.

Ambos, ministro e presidente, demonstraram estar bastante emocionados durante o discurso. Elogiou a todos os presentes, em especial o general Heleno, conselheiro principal de Bolsonaro nos últimos dois anos. O chamou de “nosso guru” em mais de uma ocasião.

O antecessor de Onyx, Eliseu Padilha, defendeu o legado de Michel Temer (MDB) e disse que o novo governo terá de mostrar serviço. “Desejo que tenha tanta ou mais sorte do que tivemos. E que consiga fazer mais, porque a expectativa do Brasil é muito grande e temos de corresponder, temos de ter ações para corresponder”, destacou.

loading...
Patrocínio

Desenvolvido por: