Justiça proíbe dono da Havan de influenciar voto de funcionários da rede – Porto Alegre 24 Horas
Connect with us

Política

Justiça proíbe dono da Havan de influenciar voto de funcionários da rede

Proprietário vai ter de divulgar vídeo falando da liberdade dos trabalhadores de escolher candidato e abordando a decisão judicial

Publicado há

em

Compartilhe 📣

Créditos da foto da notícia: Reprodução: CP.

O Ministério Público do Trabalho de Santa Catarina conseguiu uma liminar da Justiça, nesta quarta-feira, que proíbe o dono da Havan a intimidar os funcionários e influenciar o voto dos servidores para presidente da República, no próximo domingo. A Justiça estipulou uma multa em R$ 500 mil caso a empresa não cumpra a decisão.

O MPT informou que, entre 1 e 2 de outubro, recebeu 47 denúncias da Procuradoria do Trabalho relatando que o proprietário da Havan vinha coagindo os trabalhadores a votarem no candidato da preferência dele, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), sob pena de demissão.



Segundo os relatos, o proprietário da empresa, após fazer os funcionários cantarem o hino nacional, defendeu Bolsonaro por quase meia hora. Os trabalhadores dizem que o empresário ameaçou o fechamento das lojas em caso de descumprimento da ordem.

A Justiça ordenou que a empresa se abstenha, imediatamente, de adotar condutas de assédio moral, discriminação e violação da intimidade ou abuso de poder para tentar coagir os funcionários a votarem em determinado candidato. Além disso, proibiu a Havan de pressionar os trabalhadores para realizar qualquer manifestação política em favor ou desfavor de qualquer candidato ou partido político.



O empresário também está proibido de realizar pesquisas de intenção de voto entre os trabalhadores. Além disso, a decisão exige divulgação, até sexta, em todas as lojas e unidades administrativas da empresa no País, “afixando-se cópia da integralidade da decisão judicial no quadro de aviso de todos as unidades”. Uma multa vai ser aplicada a cada estabelecimento que não divulgar a decisão.

A Justiça também determinou que o proprietário publique, no Facebook e no Twitter, um vídeo falando sobre a liberdade dos funcionários de escolherem os candidatos e também sobre a decisão da liminar.



Em redes sociais, o dono da Havan afirmou a intenção de repensar o plano estratégico de expansão da rede em caso de vitória de um candidato de esquerda.

De acordo com a assessoria de imprensa, até o meio-dia, o dono do Havan não tinha sido notificado. A empresa só vai se manifestar após ser informada da decisão.


Compartilhe 📣
loading...
Patrocínio
Patrocínio
Patrocínio

Patrocínio