Fique por dentro do que muda na Lei Maria da Penha com alteração sancionada por Bolsonaro
Connect with us

Política

Fique por dentro do que muda na Lei Maria da Penha com alteração sancionada por Bolsonaro

A proposta foi aprovada pela Câmara dos Deputados em agosto.

Publicado há

em

Freepik

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) sancionou na terça-feira, 17, a Lei Nº 13.871, que altera a Lei Maria da Penha para responsabilizar financeiramente os autores de violência doméstica, mesmo antes do fim do processo, possibilitar a indenização às mulheres vítimas de agressões e o ressarcimento ao Estado dos valores gastos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A proposta foi aprovada pela Câmara dos Deputados em agosto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Entenda o que muda na Lei Maria da Penha

Como principal novidade, a nova lei autoriza de maneira expressa a possibilidade do Estado cobrar ressarcimento do agressor a serviços prestados pelo SUS. No caso das mulheres, já era prevista a cobrança de acordo com a interpretação dos juízes, mas a previsão na legislação, na visão de técnicos do Palácio do Planalto, ajuda a difundir a “cultura” da cobrança e enfraquece teses da defesa.

Leia:
Bolsonaro: "Vamos pedir auditoria nas contas do PSL"

Ao sancionar o texto, Bolsonaro justificou que a medida é necessária para “obrigar o agressor familiar/doméstico a responder pelos seus atos de violência contra a mulher, não só na esfera penal e na criminalização de sua conduta, mas também por meio do ressarcimento aos danos materiais e morais causados pela sua conduta ilícita”.

É necessária a condenação do agressor para haver o ressarcimento às vítimas?

Não, durante a tramitação do projeto, a Câmara retirou alteração feita pelo Senado que dizia que o “condenado” deveria ressarcir a vítima. Desta forma, os deputados permitiram que as mulheres consigam ser indenizadas mesmo antes do fim da tramitação do processo penal.

“Se a responsabilidade pelo ressarcimento ficar vinculada à condenação prévia do agressor, que poderia inclusive ser definido, pela jurisprudência, somente após o trânsito em julgado do processo penal, as chances de frustração da cobrança dos danos seriam muito diminuídas”, justificou o relator.

Leia:
Homem é preso com armas e placas de veículos, em Porto Alegre

Que outros custos os agressores terão de pagar ao Estado?

A proposta estabelece que os agressores também serão obrigados a ressarcir o Estado por dispositivos de segurança usados para casos de “perigo iminente” e em casos de monitoramento das vítimas por ação de medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha.

Para onde irão os recursos devolvidos ao SUS?

De acordo com o texto da proposta, o agressor fica obrigado a ressarcir todos os danos causados, inclusive ao Estado. Os recursos devolvidos ao SUS, segundo a lei, serão direcionados ao Fundo de Saúde do Estado ou município responsável pelas unidades de saúde que prestarem os serviços.

O agressor será punido se descumprir a decisão de ressarcir as vítimas e o Estado?

Leia:
Segunda reunião de CPI da gestão Marchezan em andamento nesta sexta-feira

O texto não prevê punição criminal para o agressor caso ele descumpra a decisão.

Qual será o investimento necessário para as alterações na Lei Maria da Penha?

A Presidência ressalta que o projeto sancionado não traz impacto no Orçamento, já que não cria e nem modifica despesa. (O Sul)

Patrocínio