Felipão sobre derrota para o Grêmio: "Perda mais dolorosa na minha história no clube"
Connect with us

Grêmio

Felipão sobre derrota para o Grêmio: “Perda mais dolorosa na minha história no clube”

Fora da Copa Libertadores e pressionado pela torcida, Verdão tem no Campeonato Brasileiro a chance do bicampeonato e evitar ‘2019 zerado’

Publicado há

em

Lance

A virada sofrida para o Grêmio que eliminou o Palmeiras da Copa Libertadores foi considerada a derrota mais doída dos últimos cinco anos pelo diretor de futebol Alexandre Mattos. Depois de passar pelo “luto” e por cobranças da torcida, o clube iniciou a movimentação internamente para se mobilizar no Brasileiro, torneio que resta a disputar e esperança para evitar que 2019 seja uma temporada sem conquistas.

A diretoria e Luiz Felipe Scolari tiveram uma reunião com o grupo, também em tom de cobrança, mas já planejando a sequência do Nacional. Atual campeão, o time ainda não venceu desde a pausa para a Copa América (cinco empates e uma derrota), mas briga pela ponta: está a três pontos do líder Flamengo, rival de domingo, e com um jogo a menos.

Graças ao excelente início, com mais de 90% de aproveitamento, o time segue próximo da meta de pontos para esta fase do campeonato. Na conversa com os atletas depois da entrevista coletiva, Felipão passou uma nova projeção para o fim do primeiro turno, quando enfrentará: Flamengo (fora de casa), Goiás (fora), Fluminense (em casa) e Cruzeiro (em casa).

Notícia Relacionada:
Xuxa entra para lista das artistas mais ricas do mundo; Confira as maiores fortunas entre elas

– Depois da Copa América, na maioria dos jogos não conseguimos a qualidade e pontuação de antes da Copa América. Trabalhamos dia a dia para superar adversidades, coisas que notamos que deram errado, por que deram errado, como vamos superar isso. Nos jogos que vieram, os três primeiros depois da pausa no Brasileiro, sim (foram ruins), mas depois mudou e estamos em uma situação bem melhor, perto daquele ponto anterior. Só os resultados vão dizer o que vamos chegar no fim do primeiro turno de pontuação. Vamos passar aos jogadores um estudo para disputar o título tranquilamente no segundo turno – avisou Scolari.

Mesmo com a sequência de seis jogos sem ganhar, o Verdão, com 30 pontos, ainda tem aproveitamento equivalente a uma campanha de título (66,7%) – Santos e Flamengo, ambos com 33, somaram 68,8% dos pontos. Os dois líderes, porém, fizeram 16 partidas, contra 15 do Palmeiras, que teve adiado o duelo com o Fluminense, pela 16ª rodada.

Notícia Relacionada:
Grêmio possuí 4% e Inter, 3% dos torcedores brasileiros, segundo pesquisa

O clássico contra o primeiro colocado será mais uma oportunidade para demonstrar amadurecimento mental no Palmeiras. Este tem sido tema recorrente, já que o time continua a sofrer em mata-mata: desde o título da Copa do Brasil de 2015, só chegou à final do Paulista de 2018 – e perdeu para o Corinthians. Na terça, tinha vantagem de 2 a 0 no agregado em casa e sofreu a virada em quatro minutos. Caso avançasse à semi, o Verdão também enfrentaria o Flamengo na competição continental.

“Queria pedir desculpa ao torcedor, foi sem dúvida a mais dolorosa (derrota) de todas na minha história no clube. Cada um se mobiliza de uma maneira, eu sou um profissional de vestir absurdamente a camisa. Em cinco anos a gente começa a gostar, a entender a instituição. Adoro estar no Palmeiras, e tinha um sonho real, meu e de todos que estão comigo, de buscar esta Libertadores. Estava na mão, erramos, óbvio, temos de evoluir e aprender, mas passou. Ontem (quarta) foi o dia de luto, no vestiário foi um absurdo a tristeza”, lamentou Mattos.

Notícia Relacionada:
Vitória sobre o Ceará por 2 a 1 no Brasileirão, aproxima o Grêmio do G-6

“Algo precisa mudar e naturalmente vai acontecer. Mas agora não é hora de apontar dedo, tirar quatro, cinco ou seis. Defendemos o título, o campeonato nacional, um dos mais difíceis do mundo. O Brasileiro tem peso, não ganhávamos há 22 anos, agora são dois títulos e um vice. Tudo será levado em conta na hora que acabar os campeonatos, pela comissão técnica, diretoria, de ter ideia do que precisa ser alterado”, completou. (R7)

Patrocínio