Estátua do Laçador de vestido em exposição divide opiniões em Porto Alegre – Porto Alegre 24 Horas
Connect with us

Cultura

Estátua do Laçador de vestido em exposição divide opiniões em Porto Alegre

Publicado a

em





Uma das telas que integra a exposição “Baril’ 70 anos” no Museu de Artes do Rio Grande do Sul (Margs) tem provocado opiniões diversas em Porto Alegre. A pintura retrata o Laçador, estátua que representa o gaúcho pilchado, usando um vestido. A mostra é uma retrospectiva dos 50 anos de carreira de Fernando Baril, um dos mais importantes pintores do estado.

A tela foi criada em 1995 e fez parte do projeto “A moda vê a arte” da jornalista Celia Ribeiro, no qual vários artistas receberam vestidos para fazer uma livre interpretação.




“Eu queria caracterizar as mulheres gaúchas. Então botei o nosso símbolo gaúcho em cima do manequim. Não é um vestido campeiro, mas alguém falou que eu botei um gaúcho de prenda, aí criou polêmica”, conta Fernando Baril.

A reportagem do Jornal do Almoço, da RBS TV, foi até o Centro de Porto Alegre ouvir o que as pessoas acharam da obra.

Algumas nem chegaram a reconhecer a figura do Laçador. Outras classificaram a tela como “ousada” ou “desconfortável”. E ainda há aqueles que ressaltam que a arte tem a função de fazer pensar.




“Você pega uma informação equivocada: ‘vestiram o laçador de vestido de prenda’, então a partir dali toda a leitura é feita. Como desfazer isso? Que na verdade é uma homenagem à mulher gaúcha, a nossa terra?”, diz José Francisco Alves, historiador e curador da mostra.

Exposição tem cerca de 160 obras do artista

A mostra retrospectiva fica no Margs até o dia 4 de setembro com cerca de 160 obras do artista. No dia 14 de agosto será realizada uma conversa com o pintor no museu, a partir das 16h, para falar sobre as obras e a trajetória da carreira.




Com formação na Real Academia de Bellas Artes de Madri, Fernando Baril também passou pelo Atelier Livre na capital. Na década de 80, Baril foi premiado pela pintura abstrata. Atualmente, ele pinta elementos da natureza e objetos criados pelo homem.

De acordo com o artista, a inspiração vem das notícias fortes do cotidiano, como abusos contra as mulheres e preconceito contra negros e homossexuais. “O meu objetivo não é fazer nada bonito, que combine com o sofá, nada… é a real. E a real é bem dura de se ver e de se conviver com ela né?”, diz.

Baril’ 70

Visitação: De 27 de junho a 4 de setembro, de terças a domingos, das 10h às 19h
Local: Pinacotecas do MARGS
Entrada gratuita



Patrocínio

Publicidade

Patrocínio
Patrocínio