Deputado do PSL afirma que “negros cometem mais crimes” e causa polêmica – Porto Alegre 24 Horas
Connect with us

Política

Deputado do PSL afirma que “negros cometem mais crimes” e causa polêmica

Deputado já havia sido alvo de polêmica ao postar foto quebrando placa em homenagem a Marielle Franco

Publicado há

em

Reprodução Twitter

O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), o mesmo que quebrou a placa com o nome da vereadora Marielle Franco, morta em um atentado no Rio de Janeiro no início do ano passado, ocupou a tribuna da Câmara logo após atos de vandalismo contra uma exposição sobre a Consciência Negra.

Ele classificou de “falácia” a existência de “genocídio contra a população negra” e alegou que, se mais negros são mortos ou presos pela polícia, é porque mais negros cometem crimes.

“Por sua vez, os negros são as principais vítimas da ação letal das polícias. Só que também, como a maior parte da população carcerária é formada por negros no Brasil, é porque mais negros cometem crimes. E vão dizer mais uma vez ‘Eu não tive oportunidade da sociedade’. Não quis estudar, preferiu furtar”, disse o deputado, logo após seu colega de partido deputado Coronel Tadeu (PSL-SP) rasgar uma placa na abertura de uma exposição em comemoração ao Dia da Consciência Negra, no Hall da Taquigrafia da Câmara dos Deputados.

Leia:
Prisão de ventre? Veja os alimentos que devem ser evitados

“Esse tipo de evento foi patrocinado pela esquerda e nessa Casa isso não pode acontecer”, reclamou Daniel Silveira.

Ele disse ainda que execuções de negros podem ocorrer, mas que não são corriqueiras. “Claro que pode acontecer uma execução. Nós não temos como filtrar tudo, mas um policial militar, eu garanto, ele não entra na favela atirando a esmo para poder matar o negro, não. Se fosse um branco, caucasiano mesmo, segurando um fuzil e confrontando a polícia também morreria. Não dá para atirar flores em quem te atira bala ou chumbo”, disse o deputado.

“Essa mentira sobre o genocídio da população negra promovido pela Polícia Militar do Estadodo Rio de Janeiro não existe”, enfatizou.

Leia:
Morte cerebral só pode ser confirmada após dois dias nos EUA

(Metrópoles)

Patrocínio