Candidatura de Luciano Huck deve acabar com Caldeirão no 20º ano
Connect with us

TV

Candidatura de Luciano Huck deve acabar com Caldeirão no 20º ano

Apresentador intensifica contatos para viabilizar projeto político que o afastará da Globo

Publicado há

em

Instagram @lucianohuck

Luciano Huck é um dos apresentadores com maior audiência da TV brasileira. Exibido nas tardes de sábado, o Caldeirão chega a marcar 15 pontos.

Esse índice representa 3 milhões de telespectadores na Grande São Paulo, principal área de aferição de público da Kantar Ibope.

Além de garantir liderança confortável à Globo, o programa gera faturamento alto.

Bem relacionado, o apresentador negocia verbas milionárias de publicidade diretamente com grandes anunciantes.

Apesar de tamanho êxito, o Caldeirão poderá chegar ao fim em 2020, após as comemorações do vigésimo aniversário, em abril. Luciano Huck já está, inegavelmente, em pré-campanha à Presidência da República.

O projeto político tem ocupado espaço relevante em sua agenda. São palestras, reuniões com cúpulas partidárias e discussões em grupos de estudos a respeito das soluções para o Brasil.

Notícia Relacionada:
Silvio Santos faz crianças desfilarem de maiô em concurso de beleza e gera revolta

Na sexta-feira (4), Huck foi recebido em jantar pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

Conversaram sobre uma coalizão de centro. À imprensa, Maia disse que a candidatura presidencial do apresentador “é uma possibilidade”.

Para a Globo, seria péssimo. Perderia uma atração importante na grade do sábado e enfrentaria os ataques de quem enxergaria Luciano Huck como o candidato oficial da família Marinho, dona do canal. Um prato cheio para contestar a imparcialidade do jornalismo praticado pelo Grupo Globo.

No sábado, em transmissão na internet, Jair Bolsonaro comentou sobre a possível entrada do artista na corrida eleitoral. “Alguém acha que o povo vai votar em um pau mandado da Globo? Não vai.”

Notícia Relacionada:
Terceiro dia de paralisação dos funcionários do Imesf altera a rotina de 140 mil pessoas em Porto Alegre

Huck e o presidente passaram a duelar por meio da mídia após uma crítica do apresentador à Presidência do capitão reformado durante encontro com jovens no Espírito Santo, em agosto.

“Eu não acredito que a gente está vivendo o primeiro capítulo da renovação. Para mim, estamos vivendo o último capítulo do que não deu certo.”

Depois de desistir de se lançar candidato ao Planalto no início de 2018, Huck declarou jamais ter votado no PT e reafirmou sua repulsa ao partido. Deixou subentendido o voto em Bolsonaro.

Agora, ele passou de apoiador informal do presidente a provável adversário dele em 2022. Quem acompanha as piruetas da política brasileira só pode concluir uma coisa: “Loucura, loucura, loucura!”

Notícia Relacionada:
Celulite infecciosa levou Miguel Falabella à internação; Entenda a doença

(Terra)

loading...
Patrocínio