Bolsonaro sobre ONU: “Queriam que eu fosse para falar abobrinha?” – Porto Alegre 24 Horas
Connect with us

Notícias

Bolsonaro sobre ONU: “Queriam que eu fosse para falar abobrinha?”

Segundo o chefe do Executivo, setores da imprensa têm interesse em “derrubar” o governo e críticas são para “esculachar” a gestão

Publicado há

em

Valter Campanato/Agência Brasil

A o deixar o Palácio da Alvorada nesta quinta-feira (26/09/2019), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) demonstrou irritação com críticas que recebeu pelo discurso na abertura da Assembleia Geral da Nações Unidas (ONU), na última terça-feira (24/09/2019).

Segundo o chefe do Executivo, setores da imprensa têm interesse em “derrubar” o governo e as críticas ao discurso têm o objetivo de “esculachar” a atual gestão. “Eles queriam que eu fosse para falar abobrinha, enxugar gelo e passar o pano. Não fui ofensivo com ninguém, seria muito mais cômodo fazer um discurso que fosse aplaudido, mas não teria coragem de olhar para vocês”, disse, dirigindo-se a admiradores que se concentraram na porta da residência oficial.

Bolsonaro voltou a se referir de forma indireta ao presidente francês, Emmanuel Macron, a quem mandou indiretas no discurso de forma velada. “A ONU foi criada no passado contra um espírito colonialista. E um país, que não citei o nome, quer voltar com isso”, disse.

Ao comentar a derrubada dos vetos à lei que pune o abuso de autoridade, Bolsonaro minimizou desgaste com o Congresso. “Eu não posso impor minha vontade em tudo. Até porque se um dia alguém com um sentimento de ditador chegar no meu lugar, vai querer impor sua vontade lá. O Parlamento é um freio necessário. Às vezes a gente não concorda, mas tem que respeitar”, disse.

Raoni
O presidente Jair Bolsonaro negou, ainda, que tenha sigo agressivo com discurso na abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), na última terça-feira (24/09/2019), em Nova York. Ao deixar o Palácio da Alvorada, o chefe do Executivo voltou a atacar a imprensa e a criticar o cacique Raoni Metuktire, citado durante o discurso.

“Não fala a nossa língua”, disse Bolsonaro referindo-se à liderança indígena. “Não existe mais o monopólio do Raoni. O Raoni fala outra língua, não fala a nossa língua. É uma pessoa que tem a idade avançada. Nós vamos respeitá-lo como cidadão, mas ele não fala pelos índios. Cada tribo indígena tem um cacique”. (Metrópoles)

loading...
Patrocínio

Desenvolvido por: