Afinal, os cães da raça pit bull são realmente violentos? Especialista em comportamento animal esclarece – Porto Alegre 24 Horas
Connect with us

Variedades

Afinal, os cães da raça pit bull são realmente violentos? Especialista em comportamento animal esclarece

O preconceito com a raça ainda é tabu na sociedade. Esses animais ocupam o primeiro lugar do ranking de morte induzida em abrigos

Publicado há

em

Freepik

Uma triste realidade acompanha os cães da raça pit bull. Segundo a organização norte-americana de proteção à natureza One Green Planet, ele é o animal que lidera o ranking de morte induzida em abrigos dos Estados Unidos.

Raça muito associada ao temperamento agressivo, os pit pulls surgiram no início do século 19, na Inglaterra. Devido a força do animal, as pessoas começaram a usar o cão para esportes violentos, como luta com outros bichos selvagens e rinhas.

Outra curiosidade é que o termo “pit bull” engloba um conjunto de raças caninas, como: Pit Bull Terrier, American Staffordshire Terrier, Staffordshire Bull Terrier e também os cruzamentos originados entre eles. O primeiro cachorro da raça surgiu de uma cruza do Bulldog Inglês com o atualmente extinto, Terrier Inglês.

Leia:
Após polêmica, assessoria diz que MC Gui está sendo ameaçado de morte

Especializado em comportamento animal, o médico veterinário e adestrador, Zenildo Prazeres, afirma que o pit bull só se torna violento se tiver um direcionamento humano para que isso ocorra. Tudo depende da maneira que o tutor cuida e educa. Vale ainda ter atenção ao instinto predatório do cão.

“O tutor deve sempre procurar desenvolver métodos de sensibilização, fazer carinho na cabeça diante de uma boa atitude e dar um reforçador, como o petisco. Também é muito importante fazer a socialização do pit bull com outros cães logo cedo”, aconselha.

O especialista indica ainda a importância de estimular o convívio do pit bull com pessoas diferentes desde filhote, para que ele se socialize. Além disso, o dono do animal deve evitar brincadeiras que estimulem a competitividade, como o cabo de guerra ou passatempos que reforcem o instinto de caça, como colocá-lo para perseguir algum objeto.

Leia:
Aos 64 anos, morre o ator e diretor Jorge Fernando

“Sendo bem treinado e socializado, o pit bull se torna um animal dócil e companheiro como qualquer outro”, aponta.

(Metrópoles)

Patrocínio