Adolescente foge de casa na Grande Porto Alegre após ser abusada durante seis anos pelo pai; Mãe e irmão estão jurados de morte – Porto Alegre 24 Horas
Connect with us

Polícia

Adolescente foge de casa na Grande Porto Alegre após ser abusada durante seis anos pelo pai; Mãe e irmão estão jurados de morte

A adolescente acrescentou que o caçula, hoje com sete anos, presenciou vários abusos do pai contra a irmã.

Publicado há

em

Freepik

Uma adolescente de 14 anos fugiu depois de anos de sofrimento dentro de sua própria casa. A menina, que vive em Novo Hamburgo, se viu obrigada a deixar o lar por não aguentar mais sofrer abusos e estupros pelo próprio pai. Juntamente com a mãe e o irmão, que agora estão jurados de morte, ela procurou a casa da avó.
Após conseguir abrigo, foi à Central de Polícia e pediu medida protetiva urgente. O caso está sob os cuidados da Polícia Especializada no Atendimento a Mulher (Deam). Até o momento, não obtivemos informações de quais ações serão tomadas para proteger a família.

A menina tentou fugir do pai quando ele tentou passar a mão em suas pernas. No momento, ela que estava sozinha, acabou sendo agredida com um soco no rosto. Ele tenta agarrá-la a força, sem sucesso. A jovem então consegue escapar e correu até a cozinha, pegou uma faca e foi ao encontro do irmão, que estava chegando na residência.
Em depoimento, a adolescente contou que começou a ser estuprada pelo pai aos oito anos de idade. Lembrou que uma vizinha chegou a acionar o Conselho Tutelar. Na época a vítima negou, porque o homem ameaçava matá-la se contasse algo. A adolescente acrescentou que o caçula, hoje com sete anos, presenciou vários abusos do pai contra a irmã.
A estudante ainda falava aos policiais quando a mãe, que estava trabalhando, chegou à delegacia. A mulher de 32 anos estava “aterrorizada”, conforme definido pelos agentes, porque o homem havia ameaçado matar a todos caso procurassem a Polícia. A solução foi abandonar a casa apenas com a roupa do corpo. O pedreiro deve responder pelo crime de estupro de vulnerável, com pena prevista de oito a 15 anos de prisão.

*Com informações do JornalNH

Patrocínio

Desenvolvido por: